Planejamento tributário agressivo como forma de capitalização por meio do Refis: um estudo em uma empresa familiar

Autores

  • Gabriela Oliveira Justino Mendonça Nogueira Universidade Federal Rural do Semi-Árido
  • Moisés Ozório Souza Neto Universidade Federal Rural do Semi-Árido
  • José Mauro Madeiros Velôso Soares Universidade Federal Rural do Semi-Árido

DOI:

https://doi.org/10.32586/rcda.v17i2.536

Palavras-chave:

Refis. Capitalização. Planejamento Tributário Agressivo.

Resumo

O pagamento de tributos se trata de um montante relativamente alto e, pelo desembolso tempestivo, muitas empresas podem optar por não o efetuar. Este estudo propôs analisar a economia financeira que essa escolha pode ocasionar para uma empresa familiar por meio do planejamento tributário agressivo em observância ao Programa de Recuperação Fiscal (Refis). Na perspectiva da literatura subjacente de que os programas de parcelamento vão muito além de um mero acerto entre governo e empresa, a contribuição desta pesquisa é a constatação de que as soluções propostas para diminuição da evasão e sonegação podem ter o caráter prático oposto. Observou-se que é mais vantajoso à empresa aguardar o Refis e não se endividar para pagar os tributos, ou utilizar de outros artifícios para se capitalizar. Neste sentido, a conclusão é que postergar o pagamento dos tributos federais e aguardar pelo Refis.

Biografia do Autor

Gabriela Oliveira Justino Mendonça Nogueira, Universidade Federal Rural do Semi-Árido

Pós-graduada em Planejamento Tributário, Universidade Federal Rural do Semi-Árido (Ufersa), Rio Grande do Norte, Brasil.

Moisés Ozório Souza Neto, Universidade Federal Rural do Semi-Árido

Doutorando em Ciências Contábeis pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos, Mestre em Administração pela Universidade Potiguar. Atualmente é coordenador e professor do curso de Ciências Contábeis da Universidade Federal Rural do Semi-Árido.

José Mauro Madeiros Velôso Soares, Universidade Federal Rural do Semi-Árido

Doutorando em Ciências Contábeis Pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos), Rio Grande do Sul, Brasil. Professor na Universidade Federal Rural do Semi-Árido (Ufersa), Rio Grande do Norte, Brasil.

Referências

BERTOLUCCI, A. V.; NASCIMENTO, D. T. Quanto custa pagar tributos? Revista Contabilidade & Finanças, São Paulo, v. 13, n. 29, p. 55-67, 2002.

BRASIL. Lei nº 9.964, de 10 de abril de 2000. Institui o Programa de Recuperação Fiscal – Refis e dá outras providências, e altera as Leis nos 8.036, de 11 de maio de 1990, e 8.844, de 20 de janeiro de 1994. Diário Oficial da União, Brasília, DF, p. 1, 11 abr. 2000.

CHAVES, F. C. Planejamento tributário na prática. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

CHEN, S.; CHEN, X.; CHENG, Q.; SHEVLIN, T. Are family firms more tax aggressive than non-family firms? Journal of Financial Economics, Amsterdam, v. 95, n. 1, p. 41-61, jan. 2010.

CPC. Pronunciamento técnico CPC 03 (R2): demonstração dos fluxos de caixa: correlação às normas internacionais de contabilidade – IAS 7 (IASB – BV2010). Brasília, DF: CPC, 2010.

DERZI, M. A. M.; MOREIRA, A. M.; FONSECA, F. D. M. Income taxation in Brazil: a comparative law approach. In: BROWN, K. B. (ed.). Taxation and development: a comparative study. New York: Springer, 2017. p. 77-93.

FOCHMANN, M.; KROLL, E. B. The effects of rewards on tax compliance decisions. Journal of Economic Psychology, Amsterdam, v. 52, p. 38-55, 2016.

LAWSON, R..; CLARK, J. R. Taxation in the liberal tradition. The Review of Austrian Economics, Berlin, v. 32, n. 2, p. 131-137, 2019.

MACHADO, M. A. V.; MACEDO, M. A. S.; MACHADO, M. R. Analysis of the relevance of information content of the value added statement in the Brazilian capital markets. Revista Contabilidade & Finanças, São Paulo, v. 26, n. 67, p. 57-69, 2015.

MARIN, F.; PALMEIRA, E. M. A importância da gestão do fluxo de caixa. Contribuciones a la Economía, Málaga, jan. 2014. Disponível em: https://bit.ly/2lAmDzq. Acesso em: 13 mar. 2017.

MARTINEZ, A. L. Agressividade tributária: um survey da literatura. Revista de Educação e Pesquisa em Contabilidade, Brasília, DF, v. 11, p. 106-124, 2017.

MEHMET, N. The effects of behavioral economics on tax amnesty. International Journal of Economics and Financial Issues, Mersin, v. 5, n. 2, p. 580-589, 2015.

NISHIOKA, A. N. Planejamento fiscal e elisão tributária na constituição e gestão de sociedades: os limites da requalificação dos atos e negócios jurídicos pela administração. 2010. Tese (Doutorado em Direito Econômico e Financeiro) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2010.

OLIVEIRA, N. J. Elisão, evasão e planejamento tributário. Revista Científica Integrada Unaerp Campus Guarujá, Guarujá, v. 1, n. 4, 2014. Disponível em: https://bit.ly/2lWP4bc. Acesso em: 12 mar. 2017.

ORAIR, R. O.; GOBETTI, S. W.; LEAL, É. M.; SILVA, W. J. Carga tributária brasileira: estimação e análise dos determinantes da evolução recente: 2002-2012. Rio de Janeiro: Ipea, 2013. (Texto para Discussão, 1.875).

PAES, N. L. Os efeitos dos parcelamentos sobre a arrecadação tributária. Estudos Econômicos, São Paulo, v. 44, n. 2, p. 323-350, abr./jun. 2014.

PARENTE, P. S. P. Os comportamentos empresariais e a evasão fiscal. 2012. Dissertação (Mestrado em Finanças e Fiscalidade) – Faculdade de Economia da Universidade do Porto, Porto, 2012.

PLUTARCO, H. M. A sonegação e a litigância tributária como forma de financiamento. Economic Analysis of Law Review, Brasília, DF, v. 3, n. 1, p. 122-147, jan./jun. 2012.

RAUPP, F. M.; BEUREN, I. M; LONGARAY, A. A.; SOUSA, M. A. B. Como elaborar trabalhos monográficos em contabilidade: teoria e prática. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2013.

ROCHA, J. E. A.; BARCELOS, L. R.; ROCHA, P. A. X. O planejamento tributário e a elisão fiscal. Revista Controle, Fortaleza, v. 14, n. 1, p. 203226, 2016.

RODRIGUES, B. T. L.; WILBERT, M. D.; SERRANO, A. L. M. Parcelamento de tributos federais como forma de financiamento indireto. Revista de Administração, Contabilidade e Economia, Joaçaba, v. 16, n. 3, p. 1079-1108, 2017.

SALVADOR, E. A distribuição da carga tributária: quem paga a conta? In: SICSÚ, J. (org.). Arrecadação (de onde vem?) e gastos públicos (para onde vão?). São Paulo: Boitempo, 2007. p. 79-92.

SANTOS, A.; HASHIMOTO, H. Demonstração do valor adicionado: algumas considerações sobre carga tributária. Revista de Administração da Universidade de São Paulo, São Paulo, v. 38, n. 2, p. 153-164, abr./ jun. 2003.

SIQUEIRA, M. L.; RAMOS, F. S. Evasão fiscal do imposto sobre a renda: uma análise do comportamento do contribuinte ante o sistema impositivo brasileiro. Economia Aplicada, Ribeirão Preto, v. 10, n. 3, p. 399-424, jul./set. 2006.

VARSANO, R.; PESSOA, E. P.; SILVA, N. L. C.; AFONSO, J. R. R.; ARAUJO, E. A.; RAMUNDO, J. C. M. Uma análise da carga tributária no Brasil. Rio de Janeiro: Ipea, 1998. (Texto para Discussão, 583).

VELLO, A. P. C.; MARTINEZ, A. L. Planejamento tributário eficiente: uma análise de sua relação com o risco de mercado. Revista Contemporânea de Contabilidade, Florianópolis, v. 11, n. 23, p. 117-140, 2014.

Publicado

2019-11-26

Como Citar

Nogueira, G. O. J. M., Souza Neto, M. O., & Soares, J. M. M. V. (2019). Planejamento tributário agressivo como forma de capitalização por meio do Refis: um estudo em uma empresa familiar. Revista Controle - Doutrina E Artigos, 17(2), 259-282. https://doi.org/10.32586/rcda.v17i2.536

Edição

Seção

Artigos